sexta-feira, 5 de março de 2010

LONGE DE TI

Longe de ti sou um barco à deriva
num mar de tentações,
um meio-dia sem Sol,
o grito amordaçado na garganta,
um muito vazio
onde o silêncio ecoa gota a gota
numa tortura atroz.
Longe de ti perdi o medo de perder,
o desejo de ir mais além,
a vontade de querer.
Ninguém perde o que não tem.
Longe de ti sou a imagem sem reflexo,
sou sombra sem vida, restos
de quem um dia quis ser...

e não fui.