domingo, 3 de julho de 2016

FALTA

Procuro-te na solidão da noite, onde o calor do corpo se desvanece no frio da tua ausência, puzzle por completar. Sinto falta do toque da tua pele, do teu cheiro, das tuas palavras que me seduzem e deixam-me as emoções à flor da pele, o desejo cavalgante e enleante pulsando entre as veias, mesmo à distância procuro sentir o teu prazer confundir-se no meu, os corpos confundidos num só, mas sem ti o calor não resiste essa vontade insaciável que sempre me consome esmorece. Fazes-me falta.

aquele momento em que nos atiramos de alma e cara no vale do desejo e tudo o que respiramos é um prazer ofegante de promessas por concretizar. é o puzzle a começar a montar-se, dois corpos que se encaixam num só, num mesmo objectivo: dar e receber.

POR UM TEMPO INDEFINIDO

quero-te, quero ter-te por um tempo indefinido, possuir-te sem que sejas minha, porque não és um objecto e ninguém é de ninguém, mas quero-te, o teu prazer mais profundo e verdadeiro por um tempo indefinido, quero ter-te e dar-me, confundir os nossos desejos e necessidades, misturar nossos corpos num momento mágico, num único e indescritivel orgasmo. Quero a tua intimidade mesmo que por um breve e indeterminado instante, sem nomes, sem horário marcado, sem a burocracia e os compromissos dos Homens, sem regras, só por querer proporcionar e receber prazer. Quero-te por um tempo indefinido, como se a vida terminasse amanhã.