quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

GRITO

Grito
Liberdade
Prazer, dor
sentimento que se expressa
em vão,
ave que voa
à toa,
riso de criança
papão
paixão,
agonia dilacerante
de quem comemos
e que nos vem comer 
à mão.
Arte,
o êxtase da fúria
a fúria do êxtase,
nação
bandeira-canção
poesia
grito,
revolução.
Grito, sim!
mas nunca o faço
gritando apenas por gritar.

16jan94

5 comentários:

  1. Pois bem! Que os gritos sejam sempre conscientes e suaves, apesar de serem gritos.
    Gostei muito de passar por aqui.
    Um grande abraço

    ResponderEliminar
  2. Malu, os gritos não precisam de ser todos ruídosos, não no sentido convencional. Por vezes há que gritar, mesmo que seja dentro de nós, um murro na mesa que nos acorde, uma tomada de posição, lutar por algo ou por alguém, uma razão para seguir em frente. Obrigado pela visita e pelas palavras simpáticas.

    ResponderEliminar
  3. Quantas vezes a alma grita...e ninguem a ouve...
    Beijo d'anjo

    ResponderEliminar
  4. Nossa Miguel me lembrou dos conflitos do oriente médio onde essa realidade de seu poema a meu ver se encaixou bem. Simples e realista. Beijos.

    ResponderEliminar
  5. troca o grito pelo silencio e ouve a forma do amor... :) beijinho

    ResponderEliminar