segunda-feira, 13 de setembro de 2010

INVERNO

O Inverno levou-me a idade dos amores estéreis
e das falsas partidas, deixando
sobre o campo amadurecido
as sementes duma renúncia precoce
ao direito de escolha.
Não podemos ser esquisitos
quando o frio agreste da solidão
nos toma de assalto o coração.
Falta o tempo ao tempo,
falta vida ao que devia ser sabedoria,
sobram palavras aos actos,
falta voz ao desejo e à raiva
sempre silenciada
em favor de um pretenso e conveniente
mal menor.
Porque arranjamos desculpas, perdoamos
sempre àqueles que amamos?
São agora mais longas e mais escuras
as noites,
mais forte a chuva
de encontro às janelas fechadas
de um quarto onde o mofo não conseguiu apagar o teu cheiro
e onde só adormeço agarrado
à almofada das lembranças
de um breve mas intenso Verão.

9 comentários:

  1. Perdoamos aqueles que amamos, mas perdoar não é esquecer e o tempo que lima arestas nem tudo leva.
    Assim se fica, embora rodeado lembranças, cada vez mais só, entregue ao Outono que espreitará nas janelas através das folhas de árvores caducas que silenciosamente se despegam no adeus...

    Kandandos

    ResponderEliminar
  2. Meu querido Miguel
    Um grito de solidão no teu poema, junto ao teu o meu grito, senti tanto essas palavras como se fossem minhas.

    O Inverno levou-me a idade dos amores estéreis
    e das falsas partidas, deixando
    sobre o campo amadurecido
    as sementes duma renúncia precoce

    Na minha renúncia ficou a vida adormecida, lindo o teu poema.

    Beijinhos
    Sonhadora

    ResponderEliminar
  3. Olá Miguel,
    Chegou cedo o Inverno!
    Mas há sempre a esperança que quando acabar vem sempre uma e outra vez a Primavera...

    Bjs dos Alpes

    ResponderEliminar
  4. Miguel,
    Como diz a sonhadora, um grito profundo de solidão!...
    Nunca deixes de acreditar, depois do inverno vem sempre a primavera, e com ela renasce a vida!...
    Beijos!

    ResponderEliminar
  5. Meu amigo:
    O Inverno invadiu o seu poema e o seu coração, não deixe!
    Aproveite o final do Verão, talvez ele consiga aquecer a sua solidão.

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  6. Inverno há sempre, mesmo no verão... quando a nostalgia surge...

    Até é saboroso por vezes...

    ResponderEliminar
  7. lalala lalala lalalalala

    (tentando cantarolar)

    :)

    ResponderEliminar
  8. Não vale a pena agarares-te às lembranças do futuro, mas também não te prendas ao passado... às estamos simplesmente assim.

    :)

    ResponderEliminar
  9. Só o li agora, mais são versos tensos e carregado de sentimentos, apesar do seu conteudo triste, és um belo poema...

    ResponderEliminar