quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

VOU-TE CONTAR UM DIA

Vou-te contar um dia, dos abraços
dos imensos e longos beijos,
do amor e do desejo,
do sexo a duas mãos e do resto,
de todas as vezes que o fizemos
e tu não estavas - mas gostaste.
Vou-te contar um dia, da dor
dos planos de outrora desfeitos,
da solidão das noites,
do lado escuro dos dias,
da vida sem vida
que é viver e não te ver,
ver-te e não poder tocar-te.
Vou-te contar um dia, hoje não.
Hoje vou trocar o certo pelo incerto,
as promessas por desejos,
a razão pela emoção.

Hoje, só hoje,
o teu sorriso é uma carícia fugaz
e a vida uma mentira
em que eu quero acreditar.

13 comentários:

  1. Hoje, vim apenas deixar-te um beijo...o meu sorriso não é fugaz e a tua vida, cabe-te a ti fazer dela realidade...porque esperas?
    Amanhã, volto com mais calma...;)

    Um xi e um beijo no nariz

    ResponderEliminar
  2. Um dia será assim!

    Parabéns Miguel,
    gosto muito dos teus poemas!

    Bjs dos Alpes...

    ResponderEliminar
  3. Em que eu quero acreditar. Adorei!
    Mil beijos

    ResponderEliminar
  4. ...conforme prometi, cá estou com mais calma...ainda dizes que tal...tu escreves bem como tudo!
    E quanto sentimento que brota das tuas palavras...é um gosto ler-te, é um gosto perder-me aqui, nas emoções que me passas.

    Beijinho

    ResponderEliminar
  5. Flor Alpina, Olga e Carla, as vossas visitas são as flores que preenchem o meu jardim literário e me alimentam a inspiração. Obrigado pela simpatia de sempre.

    ResponderEliminar
  6. Gosto do que leio aqui. Dos poemas sentidos de ti e, de esperança.

    Beijo

    ResponderEliminar
  7. Olá Miguel,
    Mas que maravilha Miguel. ---- Parei um pouco para pensar porque é que eu ainda não tinha vindo aqui.
    Bom... vou ler mais um pouco e apareço por aí.
    Kandandos

    ResponderEliminar
  8. Sioux, quem não gosta de esperança? Já gostar daquilo que escrevo é para mim não apenas mais umas palavras simpáticas mas um gosto que espero continuar a merecer.

    Amigo Kimbanda, sabe que será sempre um prazer recebê-lo, aqui ou no Lado B, porque a sua presença é sempre uma lufada de ar fresco e simpatia para mim. Um abraço.

    ResponderEliminar
  9. Que texto lindo... :')

    ResponderEliminar
  10. E não é a memória e o sonho, as vozes mais sublimes que nos dão vida? Que bonito Miguel, por este texto que me enterneceu e deu as mãos aos pensamentos que me dançam e não passam.
    Bom fim de semana!

    ResponderEliminar
  11. Por vezes o fugaz transforma-se num intenso presente...sentido na pele!

    Parabéns. Escreves muito bem.

    ResponderEliminar
  12. É sempre um gosto imenso passar por cá e reler-te.

    Beijinho no nariz :)

    ResponderEliminar
  13. S*, sempre simpática. ilumina-se-me o dia saber que gostaste. Incentiva-me a prosseguir.
    Milhita, sempre a dança na ponta dos dedos, uma forma de arte tão sublime como a das letras. Se em vez de lutas o Homem conseguisse dançar mais...
    MinieGira, muito bem vinda e obrigado por juntar a sua voz ao silêncio destas minhas palavras mudas. Os momentos fugazes conseguem ser dos mais intensos. Obrigado.
    Maria, rever-te é sempre um prazer incomensurável, um sopro quente neste Inverno frio.

    ResponderEliminar