terça-feira, 2 de fevereiro de 2010

HOJE (por alguém que não está)

Hoje escrevi sem ter para quem
um endereço sem destinatário,
lancei-me no vazio dos teus braços
e caí desamparado.
Hoje trocava as palavras por rosas vermelhas,
a razão por sentimentos
e a amargura no olhar
por uma réstea de esperança,
por um motivo para sonhar.
Hoje trocava a poesia
pelo prazer de uma companhia.

2 comentários:

  1. ...estou aqui... e trago-te um par de braços que podem ter a medida do teu corpo, e um beijo carinhoso para te aquecer a alma neste frio que se faz sentir...lá fora e cá dentro.

    Um xi

    ResponderEliminar
  2. Miguel...há pouco quando te deixei este comentário acima, era para ter deixado um outro, mas faltou-me o tempo...volto aqui para to deixar devidamente.

    "Não troques (por nada) a tua poesia
    Lança a semente da esperança no teu coração
    Por muitos motivos para sonhar
    Sem amargura no olhar
    Mas com muita razão para bons sentimentos
    Hoje não troques as tuas palavras pelas rosas
    Pois que elas possuem espinhos
    E ferem de amargura que ousa tocar-lhes (por vezes)
    Lança-te no aconchego dos braços de quem te segue
    Pelo prazer da companhia
    De um endereço com destinatário
    De rosto
    Corpo
    E
    Alma."

    As palavras são tuas, apenas as baralhei para lhe dar um sentido mais animador.

    Beijo meu

    ResponderEliminar