sexta-feira, 15 de janeiro de 2010

TRAVESTI

E o Sol embora tóxico
no pulmão como um narcótico
veneno estranho, sádico prazer
num beijo roubado a um travesti;
Santo Graal dos meus Invernos,
a lua de fel dos meus amores
a vertente agridoce, toda a dor
toda a dura pena dos meus escritos e poemas.
A pele rubicunda, os olhos cegos
ardem os costados de pele descascados,
sonhos de um Ícaro depenado
aos ombros de um Atlas desmembrado.

Sem comentários:

Enviar um comentário