terça-feira, 19 de janeiro de 2010

NECESSIDADE

Perto de ti não sou mais nem menos
qu'um pedaço regurgitante de desejo,
um mar bravio d'incertezas por dissipar
galgando sombras de um medo incerto
no rubor inverosímel dum desejo mal-contido.
Calo o que não devo, vejo-me
no escuro dum silêncio abrasivo, negando sonhos,
dores amordaçadas num viver contemplativo.
Precisei de ti antes mesmo de te amar
como o dia precisa da noite, o bem do mal,
o certo do errado, o côncavo do convexo,
entraste no purgatório duma alma enferma
como um anjo redentor, sem sexo nem idade,
só necessidade!

3 comentários:

  1. Perto de ti, sou eu, mais o nada que te habita, são palavras que esboçam imagens, são diferentes, desenhadas.
    Bem hajas, gosto de aqui vir

    ResponderEliminar
  2. ...perto de ti, revejo-me no reflexo das palavras que brotam dos teus dedos...e sinto-me mais [estranhamente] eu...

    Venho trazer-te um beijo com carinho

    [obrigada pelas tuas palavras]

    ResponderEliminar
  3. Gosto do que aqui se escreve e, se sente.
    Palavras plenas de sentir que nos fazem visualizar momentos sentidos.
    Obrigada pela visita a um dos meus espaços e pelas palavras deixadas.

    Abraço de Luz

    ResponderEliminar