quarta-feira, 6 de janeiro de 2010

NÃO SOU DEUS


Pelo sangue derramado
na cruz dos Teus pecados
fiz eu prova de penitência
d'ignorar quem me faz mal,
seguir o trilho da vã moral;
Espinhos que a consciência me crava
sangram alto em tons de desagravo:
"Não bebas, não fumes, não cobices,
não roubes, dá... a face ao inimigo."
Não sou Deus, apenas homem
não estou morto em plena vida,
não cerceiem meus limites
nem minimizem apetites.
Quero caminhar, quero cair
quero rir e também chorar.
Mitologias?, são histórias de encantar
fábulas de milagres que contam
par'adormecer a minha mente.
Sou crente... creio em mim
e o que sou, fiz-me assim!

1 comentário:

  1. ainda bem que não és Deus...senão nunca teria o privilégio de poder partilhar da tua escrita.

    Beijo meu

    ResponderEliminar