segunda-feira, 11 de janeiro de 2010

MINHA ALMA MATER

Poesia tens nome de mulher
com um coração feito de papel,
cada letra do teu nome mais caprichosa
vaidosa de suas rimas e estrofes,
palavras que se unem
para evocar sonhos adormecidos,
fragrância por que me perco
e que me traz para a vida quedo.
No regaço das tuas formas deixo-me embalar,
liberto os sentidos do ego
e a paixão que nutro por ti
... só por ti me deixo levar.
Tantos, tantos homens que antes de mim
por ti sucumbiram, e a teus pés
caí também eu em tentação
de compor versos em teu louvor,
humildes, consciente que sou
dos limites que a minha alma me impõe.
Não deixes tu também
como mulher a que me prendo
pelo homem que eu sou.

Sem comentários:

Enviar um comentário