terça-feira, 19 de janeiro de 2010

MASCARADOS

Diz-me o que pensas, por mais fútil que te pareça,
por mais estúpido que aos outros s'apresente
(deixa que as comadres emprenhem pelos ouvidos),
diz-me do tempo que perdemos, de tudo que não fizemos!...
Iremos a tempo? Horas que não tornam, vazias, tristes, secas...
as dos beijos que não demos, desejos que calámos,
das vezes que quisemos e não nos tocámos.
Qu'é dos nossos sonhos de petizes (castrados p'lo medo)
dos médicos e polícias, dos soldados que não fomos?,
do lego, dos golos, do frerè Jacques, dos tempos felizes?,
realidade assaz distante de tudo qu'hoje somos.
É tão difícil juntar um mais um, falar, escutar, compreender
quando pensamos no que os outros vão pensar ou dizer,
é tão difícil saber o que fazer, dividir
quando o nsso espaço deixa de ser apenas nosso
quando o simples Eu se torna num complexo Nós,
viver sem saber Como, partilhar sem saber Quando,
falar ou calar, só por poder parecer mal.
Queres compartilhar sentimentos, pensamentos,
carícias e antigas lembranças, esperanças,
sonhos quase mofos numa gaveta abastada de memórias mortas.
Como invadir um espaço, desventrar segredos
se escondemos na sombra o melhor de nós
num medo que nos traz dia a dia mascarados
com receio de não agradar, desiludir, defraudar.
Outras caras, outras ideias, disfarces!...
Sabes o que querem ouvir, o que deves vestir,
só o que convém, o que é de bom tom, ser In.
Atreve-te, desafia os limites da irracionabilidade,
dá um tiro no escuro, larga amarras, perde-te,
parte à procura de ti, da palavra fácil, da loucura sã,
faz tábua rasa da lógica do saber, ser e estar, vive!
Abandona-te ao vento nas asas dum sonho acordado,
no insensato engodo dum rendez-vous anunciado!
Diz: Hoje acordei com vontade de errar,
com vontade de pecar, de ser mais Eu
na incongruência das minhas expectativas,
irrelevâncias disfuncionais da alma adversa
sobre o Bem, sobre o Mal, mal
de quem nada arrisca... pouco ou nada faz.

2 comentários:

  1. Estou a estudar, meia perdida, meia cansada e, o que acabei de ler, despertou-me os sentidos, elevou-me a alma. Dificilmente conseguiria ver-me tão claramente como aqui.
    Uma noite de guerra e paz, de mar e de terra, de ebulição e de calmaria.
    Sinto-me bem neste espaço!

    ResponderEliminar
  2. Obrigado, Milhita. Vindo de quem escreve da forma que o faz, com a força e o magnetismo que coloca em cada jogo de palavras só posso considerar isso um elogio. Boa sorte com os estudos e continue a sentir-se sempre bem vinda neste espaço.

    ResponderEliminar