sexta-feira, 29 de janeiro de 2010

LENÇÓIS DA ALMA

Quem me dera ver-te sempre assim vestida
de promessas diáfanas, alimentar o ego perverso
nos caminhos descobertos da tua vaidade cuidada;
quem me dera poder guardar-te, cativa, quase humana
na memória fotográfica de um tempo por mim inventado
resgatar-te devassa e submissa
no strip emocional de uma entrega despudorada e fictícia;
quem me dera poder passear a teu lado, mão na mão,
o teu beijo na minha boca, nos meus ouvidos,
soprando-me promessas que a mais ninguém confesso.
Quem me dera poder um dia navegar indolente
no mar sem fim dos teus cabelos, exercitar
neles o tacto, tomar-lhes o gosto e o olfacto,
frondosas ondas que rebentam nas minhas mãos
em ávidos espasmos de desilusão.
Quem me dera descobrir um dia o anêlo sôfrego
dos teus lábios,
untar os meus dedos no mel da tua chama,
espalhar o meu veneno no teu corpo como unguento,
desfalecer no céu do teu colo sem um único lamento
à distância inultrapassável de dois dedos de conversa,
de um monólogo devasso tantas vezes decorado
no silêncio indiscreto do meu quarto,
onde a ideia de um desejo do teu corpo abandonado
se passeia e me desafia dia após dia, atrevida,
na penúria exaustiva das minhas noites brancas
ousando as barreiras da imaginação, rasgando
os lençóis da alma e o tecido do colchão.

2 comentários:

  1. Miguel
    Lindo e sensual poema..gostei muito.

    beijinhos
    Sonhadora

    ResponderEliminar