quinta-feira, 28 de janeiro de 2010

DIZ P'RA MIM

Diz p'ra mim que não foi um erro
amar como eu amei, pecar como eu pequei,
que não foi perdido o tempo
em que perambulando sem destino, sonhei
e m'enganei, roubei e até menti
em nome de um amor que eu inventei.
Diz p'ra mim como evitar a dor,
a insanidade deste desejo tão profano
de usar e abusar desse teu corpo,
de sublimar-te a cada instante
em loas que fraquejam por defeito
no intuito egoísta de t'enredar na minha teia.
Diz p'ra mim que ainda há esperança
de voltar a ser quem era, quem sempre fui,
que ainda vou encontrar alguém
que me queira apenas por quem sou
e que há um amanhã por descobrir
eu e tu, tu sem mim, nós dois,
um lugar, um motivo para não morrer,
um futuro para amar... e ser amado.

Sem comentários:

Enviar um comentário