terça-feira, 5 de janeiro de 2010

CREPÚSCULO

(fotografia de Luís T.)

A vida no seu apogeu
o vento e o nascimento
a força que ateia a fé
e me cobre de alento,
Maviosas cores d'aurora boreal
pintam etéreas telas
jardins de quem os quis,
quisera eu
amar-te e ser feliz.

2 comentários:

  1. Quisera eu saber escrever assim,como tu.

    Beijo

    ResponderEliminar
  2. Mais importante do que saber usar as palavras é saber dar uso à vida. Aí, nos sentimentos sou um autêntico aprendiz de carpinteiro sempre a martelar os próprios dedos.

    ResponderEliminar