terça-feira, 12 de janeiro de 2010

OUTUBRO DE 2001 a MARÇO DE 2002

ANJOS & POETAS (Poesia em Dó Maior)

"A Idade Maior: Este livro surge em consequência de Prenda Minha..., complementando-se os dois como filhos gémeos, naquilo que - na minha imodesta opinião - melhor escrevi. Se valeu ou não a pena, ignoro-o. Foge-me a resposta no juízo dos poucos que me concederam o privilégio da sua atenção; nos poucos a quem uma rara ousadia me fez revelá-los, num partilhar de sonhos, expectativas e frustrações, espasmos literários que me mantiveram agarrado a este prazer tantas vezes sádico de procurar alento do mais fundo das minhas entranhas. Escrevi sobre os mistérios insolúveis da vida, motivações e fundamentos; sobre a morte enquanto princípio ou fim; sobre a alegria que as pequenas - e as grandes - coisas da vida nos podem dar, despertando sentidos que considerávamos adormecidos ou inexistentes; escrevi sobre amores quase sempre frustrados, elegias de expectativas defraudadas e noites solitárias de lenta agonia. Quem nunca sofreu por amor? Quem nunca se encontrou periclitante no vértice mais fraco de um qualquer triângulo amoroso, desgastando-se na ilusão de promessas que tardam em cumprir-se? Estas são as minhas (histórias) - e não só -, fragmentos da minha história e de outras que com ela se cruzaram no caminho que ajudei a traçar. Expô-las é não só limpar a alma num exercício de purificação, é procurar para nós a empatia dedicada de quem nos lê. (...) Afinal, não estamos a ficar mais novos. O tempo começa a escassear para tudo o que quero ainda fazer e que não se confina ao preenchimento absurdo de níveas páginas de vida fingida. (...)" Mais que um prefácio, esta é uma declaração de amor, uma prosa de intervenção que grita no silêncio mudo das minhas palavras.

Não existem anjos e poetas
os anjos são apenas mulheres
e os poetas... uns patetas.

Nos últimos seis meses a minha escrita sentiu-se sufocada por fortes convulsões de natureza sentimental, como um colete de forças do qual raramente conseguiu evadir-se. A procura de um sentimento apenas sonhado é um caminho traiçoeiro e cheio de areias movediças em que facilmente me afundo. A minha escrita outrora imaculada e cheia de ideais deterioriza-se agora na lama e na perversão de uma sociedade no seu pior para onde me deixo guiar como pelo canto de uma sereia. Menos pessoais, as palavras falam de um universo que me confunde e que muitas vezes me repugna e leva a questionar valores e morais, a esperança. Com Anjos & Poetas o prazer da escrita toma novamente conta de mim, as minhas mãos no teclado da máquina de escrever, em harmonia, apaixonadas, esquecendo-se do mundo lá fora, egoístas.

Sem comentários:

Enviar um comentário