quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

PRIORIDADES

De escrever já não sou capaz,
se o tento não consigo
e o que faço não me satisfaz.
Faltam-me as palavras enleantes
que outrora corriam como loucas
numa fúria desenfreada;
falta-me a luz divina
que me faça enxergar
para além desta minha obscura realidade;
falta-me a inspiração,
falta-me o amor, intenso, desesperado
capaz de mitigar esta dor
de viver sem ser amado.
Remanesce a esperança
mas a esperança é um bocado de papel
onde a tinta já não quer chegar
e é na brancura desse papel
que a minha vida se esvai,
imaculada, sem sentido.
Ontem escrevi sobre este amor, tão grande
que não tem espaço dentro de mim,
sobre os filhos que eu queria um dia vir a ter,
do presente que não tenho
do futuro que persigo e não alcanço.
Amanhã talvez, volte a escrever.
Hoje, aqui, morro...
de vontade de viver.

Sem comentários:

Enviar um comentário