domingo, 6 de dezembro de 2009

ORAÇÃO


Está escuro, nada vejo, nada sinto
senão um cheiro tétrico de morte.
Sobre um corpo desmembrado
junto as mãos em oração,
procuro por um Deus desconhecido,
sem corpo, sem nome, e falo-lhe
dos meus olhos já cansados
dos horrores da guerra,
dos ouvidos já surdos
do troar dos obuses,
da boca seca e amarga,
do corpo sujo, da comida escassa,
da esperança que morre
nos gritos bem vivos
que povoam os meus sonhos.
Sonhos, apenas um sonho mau, mais um pesadelo!
mas os sonhos não contam do pranto das crianças,
da violência animal
com que arrancam vidas,
uso e abuso de corpos, pertences
humilhações e violações
de homens que matam homens
em nome de uma cor, religião ou vã ambição.
Conservo as mãos em oração
mesmo que não saiba rezar,
procuro alento.
Das trevas venha a luz, do ódio o amor
da morte o nascimento
e para os assassinos o perdão
pois é razão desta oração
a esperança
de um dia todos sermos irmãos.

1 comentário:

  1. As pessoas andam perdidas. Desconhecem o valor da vida. E na realidade o que causa a escassez da fome, o que impulsiona a guerra, a morte é somente a falta de amor

    ResponderEliminar