segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

GOSTAVA

Gostava de acordar a teu lado
cingir o teu corpo nu entre os lençóis
e apertá-lo com tanta, tanta força
como se tivesse medo de o ver fugir.
Gostava de acreditar por uma vez
que não é apenas mais um sonho, um sonho bom
que depressa se vai desvanecer e me acordar
aqui, sozinho uma vez mais.
Gostava de apagar o passado,
eliminar todas as barreiras
que hoje por hoje nos afastam
e construir a dois o nosso futuro.
Gostava de te ter aqui, o Inverno lá fora e eu,
junto a ti pudesse acender os meus dedos
na tua pele, como fósforos
no teu corpo quente em brasa.
Gostava, ah como eu gostava
de poder dar-te aquilo com que nunca sonhaste
porque não0 sonhas sequer
que eu possa contigo sonhar.
Mas sonho.
E nesse sonho tu sorris para mim
com esse sabor da primeira vez,
teus lábios nos meus lábios se degladiam
teu corpo em meu corpo se une e se funde
enquanto o teu cheiro perdura para além
dos limites do aceitável, da imaginação.
Estou perdido, escrevendo, só para ti
mantendo viva a chama desta ilusão a que me prendo
nesta vida em que perdemos
até aquilo que não temos.
Gostava... ai quem dera
pudesse um dia, eu em ti reencontrar-me
e no teu corpo voltar a perder-me.

Sem comentários:

Enviar um comentário