sábado, 19 de dezembro de 2009

DESCULPA



Desculpa se os meus olhos te procuram
se a minha boca se esconde no silêncio da dor.
Desculpa se tenho medo de lutar
medo de nada receber e mesmo assim ter de pagar.
Desculpa se tenho medo de ficar só.
Quanta gente não terá? Quanta gente não irá ficar?
Desculpa por tudo o que já disse
por aquilo que já pensei e a que faltou coragem de fazer.
Desculpa se o tempo que tens é curto
para mais este poema que te dedico,
saboreia-o com o teu desprezo
que é certamente o último que eu te escrevo.

Sem comentários:

Enviar um comentário